Intervencionismo tupiniquim

Associado: Ricardo Augusto Gallo
Portal iG
03/01/2016
As opiniões aqui expressas são as do autor e não refletem necessariamente as do CDPP, tampouco as dos demais associados.

Setor siderúrgico entra em crise. E mesmo com o dólar a 4, governo cogita aumentar o imposto de importação sobre o aço para salvar as siderúrgicas. Impostos maiores impedem a importação de aço mais barato vindo do exterior.

Os socialistas tupiniquins aplaudem, pois isto, na opinião deles, preservaria empregos e protegeria a indústria nacional. Com o aço importado custando mais caro, fica viável para os produtores de aço no Brasil aumentarem suas margens e preços de venda de seus produtos no Mercado interno, o que daria uma sobrevida às siderúrgicas nacionais.

Pois é, mas como ficam as indústrias e setores que consomem aço aqui, como a automobilística, linha branca e a construção civil? Vão ter que arcar com os custos de tais aumentos de preço?

Resposta: não. Eles tentarão repassar tais custos maiores nos preços de seus produtos, como carros, geladeiras e apartamentos. Ou seja, o consumidor vai pagar a conta: milhões de consumidores irão subsidiar nossas siderúrgicas, por alguma razão questionável. Como estamos em recessão, o consumidor na verdade irá reduzir seu consumo ainda mais quando se deparar com os preços maiores. Ai as vendas de carros, geladeiras e apartamentos irão cair, levando a mais demissões nestes setores, o que vai acabar reduzindo a demanda por aço ainda mais. Porém algum gênio esquerdista vai sugerir desonerar ou reduzir os impostos cobrados na venda de produtos que usam aço na sua fabricação, como carros, geladeiras e apartamentos, pois assim os preços destes não sobem. Ou irão propor subsidiar o crédito para tais setores através do Bndes.

Aí tudo funciona né? Não, pois como o governo já está deficitário, ela precisará aumentar outros impostos sobre outros setores da economia para compensar tais desonerações ou subsídios . Ou seja, a conta voltou para nosso bolso !

Este tipo de intervenção do Estado no sistema de preços cria enorme distorções. Se mesmo com o dólar a 4 reais a indústria nacional de aço não consegue competir internacionalmente, pergunto se faz mesmo sentido ter tal indústria aqui. A pergunta que o governo deveria fazer é: por que não somos competitivos na produção de aço, mesmo com dolar a 4 e com a abundância de minério que temos aqui? Ou simplesmente deixar que as forças do mercado, a tal da lei da oferta e demanda, atuem livremente, e o mercado descubra por si mesmo onde é melhor produzir aço, e foque os investimentos naquilo que temos vantagem comparativa. Subsidiar indústrias ineficientes é o mesmo que jogar dinheiro fora. A história econômica tem inúmeros casos onde se tentou fazer isto e os resultados foram catastróficos para a economia.

Mas por razões ideológicas, históricas ou outras não tão claras, tal debate não ocorre aqui.