VALOR (publicado em 31/05/2021)

Causa surpresa que mesmo com o câmbio tão desvalorizado a indústria brasileira não consiga exportar. Em avaliação trimestral da qualidade do comércio exterior, a Confederação Nacional da Indústria observa com desalento que “a participação de industrializados na pauta exportadora caiu de 46% no primeiro trimestre de 2020 para 42% no primeiro trimestre deste ano”.

Tradicionalmente, os representantes da indústria dizem que não exportam porque os juros são muito altos e o câmbio muito valorizado. Os juros baixaram e o câmbio desvalorizou, mas a indústria continua não exportando. Na lista de reclamações dos industriais também constam os impostos altos e distorcidos – mas esses são rebatidos quando os produtos são exportados, portanto, essa também não deve ser a razão.

O CEO da Pirelli para a América do Sul deu recentemente entrevista a O Globo (23/05) que motiva uma explicação para o paradoxo. Depois de se referir à imprevisibilidade do governo e ao retardamento da reforma tributária, diz: “Além disso, o real tão desvalorizado frente ao dólar também não ajuda”. Real desvalorizado não ajuda a indústria? Como pode ser?

Vamos por partes. Os economistas costumamos dividir os bens e serviços num conjunto que chamamos de comercializáveis – os que entram no comércio exterior – e outro que chamamos de não-comercializáveis – os destinados exclusivamente ao mercado interno. A indústria em geral devia estar nos produtos comercializáveis, pneus em particular podem ser exportados e importados. Se os pneus fabricados no Brasil são comercializáveis, por definição deveriam se beneficiar de um real desvalorizado, pois este encarece os pneus importados em moeda nacional e barateia os pneus nacionais em moeda estrangeira. Por que, então, a desvalorização do real não ajuda?

A explicação parece estar num fenômeno observado nos anos 1960 pelos economistas Harry Johnson e Jagdish Bhagwati e por eles denominado de “crescimento empobrecedor”. Quando uma multinacional investe no Brasil, ela o faz para substituir produtos que antes exportava para o país e que agora não consegue mais fazê-lo pelo aumento das tarifas às importações. Os produtos que fabrica aqui são mais caros que os importados, mas ainda assim conquistam o mercado interno por causa da proteção tarifária. Como são produtos caros e possivelmente de qualidade inferior não conseguem ser exportados, mesmo com o câmbio desvalorizado.

Embora aparentemente comercializáveis, esses produtos são na prática não-comercializáveis, cujos custos, que incluem insumos importados, aumentam quando o real se desvaloriza. Para os acionistas da multinacional, pior ainda. Pois vendem os produtos localmente em reais, mas querem converter seus lucros em moeda forte e esses encolhem quando o real se desvaloriza.

Isso esclarece por que a desvalorização não ajuda. Uma multinacional que vem para o Brasil para substituir importações e explorar o mercado interno vê seus lucros em moeda forte diminuídos quando o real se desvaloriza.

O país permite a livre entrada de empresas estrangeiras, mas cria embaraços às exportações e importações de bens e serviços. Esta é uma receita pronta para o crescimento empobrecedor de que falam Harry Johnson e Jagdish Bhagwati. As multinacionais prosperam ao explorar o mercado interno protegido. Por exemplo, produzindo e vendendo, dentro do país, carros de qualidade inferior com preços elevados, pois não há a concorrência de carros importados nem a possibilidade de produzir carros melhores, devido às restrições à importação de máquinas e insumos de qualidade. Mas o resto do país empobrece, ao ver seus recursos domésticos aplicados na substituição ineficiente de importações (automóveis caros e de qualidade inferior aos importados) em lugar de serem empregados na produção de bens e serviços nos quais o país poderia competir no mercado internacional.

Em contraste com a abundante evidência dos benefícios do comércio internacional, o Brasil permanece sendo umas das economias mais fechadas do mundo. Grandes economias são grandes exportadoras: os Estados Unidos são a primeira economia do mundo e a segunda maior exportadora; a China é a segunda maior economia e a primeira exportadora; o Japão é a terceira maior economia e a quarta maior exportadora; a Alemanha é a quarta maior economia e a terceira maior exportadora; a França ocupa a quinta posição tanto no tamanho da economia quanto na importância das exportações; o Reino Unido tem a sexta maior economia do mundo e é o décimo maior exportador.

Já o Brasil, em 2018 a oitava maior economia do mundo, era apenas o 25º maior exportador. O PIB do Brasil representava 3% do PIB mundial, mas suas exportações alcançaram apenas 1,1% das exportações mundiais. Um gigantinho em termos de PIB, o Brasil é um anão em termos de exportações.

O que se vê do lado das exportações se confirma do lado das importações. Em 2018, a participação das importações no PIB do Brasil foi de apenas 11,6%. Esse é o menor valor entre os 164 países considerados pelo Banco Mundial

O que fazer? A resposta quem sugere é o ex-prócer da indústria automobilística, Carlos Ghosn, em entrevista há tempos para o Valor. Quando perguntado por que não fabricava aqui Renaults de tão boa qualidade quanto os franceses, ele respondeu: “Deixem-me importar insumos da Europa que eu produzo aqui carros tão bons quanto os de lá”. É o que fez o México, cuja indústria automobilística, integrada às dos EUA e Canadá, fabrica automóveis com produtividade duas vezes maior do que a brasileira, como estima a consultoria McKinsey.

Para o país interessa atrair multinacionais, mas não somente para vender ao mercado interno, e sim para também exportar como o fazem no México e na Ásia. Para isso, é necessário melhorar a qualidade, ter maior especialização, expandir a escala e acirrar a concorrência. O que só se consegue com integração às cadeias internacionais de valor. Urge abrir a economia para que a indústria brasileira consiga exportar quando o câmbio se desvaloriza!

Link da publicação: https://valor.globo.com/opiniao/coluna/por-que-a-industria-nao-exporta.ghtml

As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente as do CDPP, tampouco as dos demais associados.