Affonso Pastore, Poder 360, (publicado em 25/10/2021)

Economista vê PIB crescendo na faixa de 1,5% e persistência do desemprego em alto patamar.

O PIB brasileiro do ano que vem deve registrar “crescimento medíocre” e será acompanhado por alta taxa de desemprego. A estimativa é de cerca de 1,5% para Affonso Pastore, 82, economista e ex-presidente do Banco Central em entrevista ao Poder360. Os motivos: ausência de reformas que diminuiriam a percepção de risco sobre o país e política monetária restritiva para conter a inflação.

A taxa de juros deve manter a trajetória de alta. Pastore fala em juros de 8,5% no fim de 2021. Para 2022, “vai ter que subir ainda mais no começo do ano”, afirma. O economista diz acreditar que a taxa chegue a 9,5% até dezembro. Previsões do mercado estimam 11,5% no fim de 2022. Isso porque a atual inflação, avalia, “não é gerada por um ou outro choque. Tivemos uma subida de preços administrados com a alta do petróleo, com a depreciação cambial, com a subida das commodities”.

Isso porque a atual inflação, avalia, “não é gerada por um ou outro choque. Tivemos uma subida de preços administrados com a alta do petróleo, com a depreciação cambial, com a subida das commodities”. Assista à entrevista de Pastore ao Poder360 (37min34s):

De acordo com Pastore, decisões do Banco Central também são importantes nesse processo. Isso porque houve sinalização — hoje corrigida, na avaliação do economista— de que haveria um ajuste apenas parcial na política monetária. “>O mercado financeiro e a sociedade percebem que ele dá um peso maior para a atividade econômica do que para o desequilíbrio inflacionário. Isso atua sobre as expectativas, a inflação se propaga”, afirma.

O ex-presidente do BC acaba de lançar o livro “Erros do Passado, Soluções para o Futuro” (Companhia das Letras, 336 págs., R$ 79,90), no qual analisa os principais erros das políticas econômicas brasileiras ao longo do século 20. O objetivo, afirma, “é visitar o passado para ver onde a gente errou” como sociedade.

CENÁRIO RUIM

Pastore diz ver com pessimismo o atual cenário de reversão de regras fiscais como o teto de gastos. O dispositivo não é uma regra que se cumpre sozinha, afirma. “É um ato político para dizer que precisamos controlar as despesas e dar eficiência para o Estado. Como era muito difícil de coordenar isso, disseram assim: põe na Constituição um limite de teto de gastos e isso politicamente constrange a todos os atores políticos a se envolverem em um processo de reforma”, afirma.

O economista criticou o que vê como uma >campanha pela reeleição”, por parte do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desde o 1º dia. Para Pastore, a equipe liderada pelo ministro Paulo Guedes (Economia) prometeu reformas, mas “não há um programa, não há uma agenda, não há uma estrutura. Faltou tudo”.

A pandemia fez a orientação da política econômica do país se perder, afirma. A consequência é a interrupção da agenda de reformas, que poderia impulsionar crescimento nos próximos anos.

IMPOSTOS E INEFICIÊNCIA

O país vive há décadas um desafio, nunca solucionado: controle de gastos para evitar o crescimento de dívida pública via alta de impostos. O aumento de alíquotas ou criação de novos impostos causa distorções econômicas que impulsionam mais ineficiência e menor produtividade.

“No fundo, tributa-se mais quem tem renda mais baixa e menos quem tem renda mais alta. Quer dizer, há uma distorção que piora a eficiência econômica e causa injustiça distributiva na sociedade”, afirma Pastore.

O ex-presidente do BC defende uma reforma tributária urgente e que comece pela tributação sobre bens e serviços. “Transformar toda essa parafernália em um imposto sobre valor adicionado incidente pelo destino e pela origem do bem produzido. Hoje, é cobrado na origem. Tem que ser cobrado no destino para eliminar a guerra fiscal”, diz.

DEPENDÊNCIA DA CHINA

O Brasil, como outros países emergentes, é visto por investidores no exterior como um “país dependente da China”, já que o crescimento econômico nacional depende de bonanças externas, sobretudo do gigante asiático. Os chineses crescem hoje na faixa de 5% ao ano, mas a cifra pode cair daqui em diante. Entre os motivos da desaceleração estão a crise do mercado imobiliário chinês, impulsionado pelos recentes defaults da incorporadora Evergrande. O setor é um dos principais compradores de minério de ferro brasileiro e responde por quase 1/3 do PIB chinês. “Isso introduz um componente de risco” para a economia brasileira nos próximos anos, afirma Pastore.

Link da publicação: https://www.poder360.com.br/economia/brasil-tera-crescimento-mediocre-em-2022-diz-ex-presidente-do-bc/

As opiniões aqui expressas são do autor e não refletem necessariamente as do CDPP, tampouco as dos demais associados.