Paulo Guedes se aproveita da pandemia para tentar passar a CPMF. O objetivo é nobre: financiar a …

Paulo Guedes se aproveita da pandemia para tentar passar a CPMF. O objetivo é nobre: financiar a Renda Brasil e a desoneração da folha de salários. Mas o instrumento é equivocado. Tem melhores alternativas. Bernard Appy corretamente argumenta que uma boa reforma do imposto de renda, acompanhada de revisão de subsídios, incentivos e transferências, pode gerar os recursos necessários.
Para isso, é preciso confrontar privilégios, o que tem custos políticos. A CPMF de Guedes parece atentar contra ninguém – uma taxa pequeninha sobre uma base tributária enorme produz uma montanha de dinheiro. Mas é uma ilusão. Ao taxar transações, mesmo quando não geram rendimentos, a CPMF sufoca a atividade econômica.
O debate faz lembrar o pacote tributário do final de 1986, contraposto à proposta de Sayad de aumentar os impostos sobre a renda. João Manuel, então assessor do Ministro da Fazenda, arguia que o aumento da tributação sobre produtos passaria despercebido desde que expurgado dos índices de inflação. Mas o que o pacote conhecido como “manuelaço” fez foi explodir o plano Cruzado e com ele toda equipe econômica”.

Fonte: O Globo

As opiniões aqui expressas são do autor e não refletem necessariamente as do CDPP, tampouco as dos demais associados.