Broadcast Política (publicado em 05/08/2021)

A sociedade civil está atenta e em defesa da democracia. É isso o que os signatários do manifesto “Eleição se Respeita” estão dizendo, segundo o sócio da Mauá Capital, Luiz Fernando Figueiredo e signatário. “O manifesto evidencia que a sociedade civil está dizendo: é preciso respeitar as regras”, disse Figueiredo ao Broadcast . “Havendo algum risco à democracia, a sociedade civil está alerta.”

O ex-diretor do Banco Central afirma que a democracia e as instituições no Brasil foram e continuam sendo fortes e o risco de alguma ruptura no processo eleitoral não vai acontecer. “Nossa democracia é forte”, diz. “Quando estava no poder, o PT tentou centralizar (com mecanismos para controlar) a imprensa e não conseguiu. O Congresso não aprovou”, diz Figueiredo.

Para ele, rompantes sempre podem acontecer, como inclusive o mundo viu, no início do ano, com a invasão do prédio do Capitólio, nos Estados Unidos.

No mercado financeiro, o risco político está precificado em nível bastante alto, na avaliação de Figueiredo. A curva de juros futuros, diz, mostra descontrole fiscal muito relevante e muito distante da realidade. Ainda que esteja positivo no ano, o Ibovespa subiu cinco vezes menos do que o Dow Jones em termos porcentuais desde janeiro. O real está entre as moedas que mais perdeu valor nos últimos dois anos ante o dólar, período em que o Dollar Index (DXY), cesta que compara o dólar a outras seis moedas. A perda acumulada é de, aproximadamente, 5%.

“A percepção de risco no mercado sobre o que está acontecendo tem sido, invariavelmente, pior do que a realidade”, diz Figueiredo.

Link da publicação: http://www.broadcast.com.br/cadernos/politico/?id=elJ1dFFQN24vVG5wZ0t2RFdrendNUT09

As opiniões aqui expressas são do autor e não refletem necessariamente as do CDPP, tampouco as dos demais associados.